Ivânia Santos

 
 
 

Fui criada em um ambiente onde o Espiritismo era a religião. Já jovem fui forçada a frequentar e “trabalhar” para os “santos”. Tínhamos uma vida de miséria, meu pai e minha mãe se dedicavam a essas práticas e com isso tínhamos que dividir o pouco que tínhamos com cachaças, cigarros, etc. Eu tinha pavor de tudo aquilo, sentia-me oprimida.

Pouco antes de o meu pai falecer, comecei a namorar meu esposo. Não deu tempo de apresentá-los um ao outro. Este moço foi meu porto seguro até eu conhecer ao Senhor Jesus Cristo, depois de muito sofrer na mão do inimigo, com ódio, sentimento de vingança e etc. Foi com meu esposo que chorei a perda de meu pai.

Eu agora com 16 anos me via na obrigação de cuidar de meus irmãos: Carlos (13 anos), Elisa (11 anos) e Cláudia (6 anos). Assumi o papel de mãe de meus irmãos, uma vez que agora minha mãe passou a dormir no centro espírita, por medo e opressão. Ela não conseguia dormir conosco em casa, e eu não aceitava aquilo, achei que ela nos havia abandonado.

Tempos depois entendi que ela sofria com a perda de meu pai, pois eram muito unidos. Fui criada com muito amor e cuidado por eles, de repente me vi órfã de pai e mãe. Minha mãe passava em casa todos os dias pela manhã e a noite quando vinha do trabalho, agora morávamos próximo ao centro espírita. Foi um período muito Fiquei noiva de meu esposo Daniel aos 17 anos e com 20 anos me casei. Não tínhamos onde morar, então fomos morar com a minha sogra. No quintal dela construímos dois cômodos onde moramos por dois anos, até que meu cunhado pediu para que desocupássemos a casa que construímos.

Mais uma vez, sem moradia fomos morar com minha mãe, na casa de um padre, onde minha mãe, que havia casado novamente, morava trabalhando como caseira. Nesta data eu estava grávida de 8 meses e em virtude da mudança perdi meu filho.

Em minha triste vida sofri assédio, calúnias, mentiras, e tudo mais para acabar com meu casamento. Cansada de tanto sofrimento abandonei o espiritismo e então pude ver ciladas e mais ciladas do diabo para me destruir. Foi quando conheci as denominações e ali pude usufruir de uma momentânea paz.

Deus me deu uma casa e me mudei para longe da igreja onde frequentava e então comecei a sentir um profundo vazio. Quando eu podia ia até a igreja, mas após os cultos ao voltar pra casa sentia-me pior.

Até que um dia, por ter uma grande amizade com os pais do irmão Fernando Silva, fui convidada para o casamento dele com a irmã Rebeca. Foi a cerimônia mais linda que já vi. Neste casamento eu senti algo especial. Sentei-me no mezanino e fiquei maravilhada com tudo. Ali Deus tocou o meu coração profundamente.

Para chegar até a Igreja, naquele dia, eu nem senti. Eu já estava amando tudo, pois Deus já estava tratando comigo. Apesar de ter sido orientada e ter cuidado com esses irmãos, pois se tratava de uma seita.

Depois disso fui convidada pela irmã Laura para um passeio em um sítio, e claro, fui correndo. Durante a oração dos jovens, fiquei admirada com aquele povo. A reverência na presença do Senhor, o amor e tudo mais me encantava… o pastor sentado junto com as ovelhas…que coisa mais linda! Tudo era muito diferente do que eu estava acostumada, se tratando de companheirismo. Eu nunca tinha vivenciado algo assim.

Na denominação tudo era tão frio. O desejo de ter e sentir mais de Deus na minha vida era tanto que só orar e ler a Palavra, não estava sendo o suficiente para uma pessoa na minha condição. Eu tive uma experiência sobrenatural, quando eu nem sabia que existia Deus, que te toca e você sente, e como eu poderia estar daquela maneira se eu estava frequentando uma igreja que pregava a “Palavra”?

Após aquele passeio no sítio ajoelhei-me e orei a Deus: “Mostra-me a Verdade, eu sei que o Senhor é muito mais do que vejo, vivo ou tenho ouvido”. A oração foi curta, mas Deus ouviu-me.

Antes de frequentar a Igreja da mensagem, convivi com uma jovem querida que me mostrava o que eu tinha aprendido errado na denominação. Lembro-me de suas palavras para mim: “E a Bíblia tia?” “Contra a Verdade, não há argumento”. Nada podemos contra a Verdade. Confesso que me senti atraída para essa Mensagem pelo amor que ali sinto, pelas vestes das irmãs, pela obediência à Palavra. Jesus me atraiu, inicialmente eu não entendia quase nada do que o pastor pregava, mas eu queria entender, eu queria ser revelada, eram muitas informações, porém Deus escondido em simplicidade. Tudo muito simples. A Bíblia se tornou diferente após a Mensagem. Hoje estou grata ao meu Senhor pelo privilégio de fazer parte deste povo. Com a revelação da Palavra correta.

Comecei a frequentar o Tabernáculo em Campo Grande e nunca mais voltei para a denominação. Olhando para traz posso ver o amor de Deus por minha vida. Deus trouxe a minha filha, meu genro, meu sobrinho, a esposa dele, o meu filho e em breve trará meu esposo querido. Tudo na minha vida é um milagre.

Obrigada senhor, porque neste caminho que chamam seita eu sirvo ao Senhor!